sexta-feira, outubro 16, 2009

Marcos de Assunção

Marco de Assunção nasceu em Almada na segunda metade do século XIX. Operário tipógrafo, poeta e publicista, inunda de colaboração os jornais do Concelho de Almada, a partir de 1900. Devotado à causa da emancipação económica e social do operariado, os seus trabalhos constituem uma presença acentuada e incitadora. Foi um autodidacta que se cultivou no exercício da sua profissão. Enquanto compunha, ia meditando sobre os mais variados textos que passavam pela tipografia. Muito cedo ganhou um grande entusiasmo pela letra de imprensa, pela sabedoria dos textos mais ricos e esclarecedores. Foi aprendiz, tipógrafo, jornalista, poeta, director de um jornal e de folhas de número único. Dirigiu o Correio do Sul, folha semanal anti – clerical e defensora do Concelho de Almada, a partir do nº7, a 13 de Fevereiro de 1910. É da sua autoria um dos relatos mais completos, dos acontecimentos revolucionários da Vila de Almada, após o 5 de Outubro de 1910, publicado a 30 de Outubro, do mesmo ano, n`O Correio do Sul. Foi ainda autor de peças teatrais, destacando-se a que tem por título, Cinismo e Moral, um drama em 3 actos, publicada em 1899.